Boas práticas no cálculo da lâmina de água em sistemas de irrigação

Autor: Marcelo Zlochevsky - Data: 14/07/2020

U m Sistema de Irrigação deve suprir água e nutrientes às plantas harmonizando uma boa aeração do solo a real demanda de água das plantas. A atenção às escolhas e aos cálculos durante o dimensionamento do projeto é determinante para que no futuro seja possível um manejo adequado da frequência e tempos de rega adequados a vegetação, a idade e a fase fenológica das plantas, as variações climáticas, uso do paisagismo e preservação da relação SOLO-PLANTA-ÁGUA-CLIMA.



Movimento da água no sentido decrescente de umidade, acionado pela Evapotranspiração. O solo é um grande reservatório de água e nutrientes consumidos pelas plantas. A água é extraída do solo pelo gradiente criado pela transpiração das plantas e pela evaporação direta para o ambiente, como um mecanismo de uma bomba acionada intermitentemente para repor o reservatório em um processo dinâmico e que se repete sem intervalos.
Vejamos os 10 principais mandamentos na elaboração do projeto e seleção do tipo de sistema a ser usado para atender a este objetivo que varia diariamente.

1. As espécies de plantas usadas e a diversidade constituem o critério mais importante na seleção do

tipo de irrigação e de emissores. Gramados são geralmente irrigados por aspersores escamotáveis, cobrindo toda a área sem grandes restrições, desde que cumpridas as exigências de uniformidade de distribuição e sobreposição, o que pode ser bem atendido por rotores, sprays e bocais rotativos, conforme as dimensões, formato da área e o uso do gramado. Canteiros de Alpinas, Helicôneas ou Antúrios exigem um complemento de lâmina que pode ser suprido por emissores da linha da Irrigação de Baixo Volume, evitando o jato de água nas folhas e flores. Canteiros arbustivos com Buxinhos, Hibiscus, Crótons e Lírios terão a preferência da irrigação com tubos gotejadores sub copa. Árvores frutíferas exigem um complemente de lâmina que pode ser atendido por gotejadores adicionais. O projetista não deve esquecer de avaliar a evolução futura do Jardim.

2. O Tipo de Jardim a ser irrigado é o segundo critério. Jardins Horizontais, Jardins Verticais, Telhados

Verdes, Jardim de Interior orientam o tipo de sistema de irrigação mais adequado. Um jardim vertical usando vasos, será bem atendido por gotejadores de botão, com microtubo e estacas de fixação. Estes vasos, geralmente fixados em telas ou suportes moveis, podem ter a posição alterada ou a troca de plantas ao longo da vida, usufruindo da grande variedade de vazões de gotejadores para atender a diversidade de plantas, micro clima nos diversos pontos e alturas, drenabilidade do substrato usado e outras mais. Já em Telhados Verdes, a profundidade do solo é um fator decisivo na escolha. Geralmente rasos para reduzir ao máximo o peso sobre as lajes, favorecem o uso de tubos gotejadores enterrados ou superficiais, com opções de baixa vazão, ajudando a evitar encharcamentos e escorrimentos indesejados, além de ter baixa exigência de manutenção, o que pode ser decisivo em telhados de acesso mais difícil.

3. A disponibilidade de água e energia elétrica influenciam na forma de projetar e de operar a irrigação. Não havendo restrições de vazão ou pressão, estaremos liberados nas escolhas. Mas em obras em andamento ou prontas, os pontos de água podem estar definidos e a água ser suprida de uma caixa d’água ou diretamente da rua, obrigando a divisão em mais setores e a opção por tubos e válvulas de maior diâmetro. Controladores com mais recursos podem ser necessários e as vezes um reservatório com uma moto bomba. A operação segura das válvulas exige 10 mca de pressão e gotejadores autocompensantes exigem uma pressão mínima de 5 mca para que a vazão se estabilize. Em casos extremos, pode ser preciso reduzir a área irrigada ou a lâmina, o que deve ser avaliado antes dos primeiros esboços do projeto.

4. A Janela de Irrigação permitida, ou seja, em que horário a irrigação pode funcionar sem interferir no uso do jardim ou circulação pela área do paisagismo, são fatores importantes na escolha dos emissores, da quantidade de setores operacionais e do manejo da rega em geral. Parques públicos, Shopping Centers, Jardins em Hotéis limitam o funcionamento da irrigação entre meia noite e 8:00 horas da manhã. É importante lembrar que é melhor irrigar os jardins nas primeiras horas do dia, evitando que as plantas passem a noite em ambiente extremamente úmido, facilitando a incidência de doenças e fungos ou que atravessem um dia quente sem umidade suficiente.

5. A qualidade da água usada deve ser conhecida, dimensionando filtros e proteções adequadas.

Temos uma boa oferta de filtros de proteção contra entupimento e de válvulas de retenção contra contaminação pelo contra fluxo. Esta atenção deve ser redobrada quando utilizada água de reuso, prática cada vez mais comum na irrigação de paisagismo. Esta é inclusive uma grande vantagem, pois a rigor o melhor uso para água com odor desagradável ou com eventuais contaminantes é a irrigação sub superficial. O tratamento limita-se a filtragem para reter resíduos sólidos.

6. O tipo de solo e a taxa de infiltração devem ser conhecidos evitando erros no manejo da irrigação, com perdas por lixiviação, escorrimento lateral e erosão do solo. Há uma grande oferta de emissores que operam a partir de 0,5 litros por hora. Utilizando a irrigação por gotejamento, o espaçamento entre emissores será influenciado pela textura do solo. Em solos arenosos, as laterais de gotejamento devem estar no máximo a cada 15 a 20 cm de distância para garantir a umidade uniforme. Já em solos mais argilosos podemos estender esta distância até 45 a 60 cm sem receio de deixar áreas secas.



7. Os Custos de aquisição, operação & manutenção são sempre relevantes em qualquer escolha e

decisivos no sucesso da implantação do sistema. Jardins residenciais, menos expostos ao vandalismo, desfrutam de uma extensa gama de produtos de custo de aquisição e manutenção mais baixos, mas que sofreriam um desgaste mais acentuado em um parque, praça ou jardim público, mais suscetíveis a ações externas. A irrigação de gramados em áreas residenciais pode ser feita com aspersores tipo rotor com menos recursos de ajuste e de proteção do que em campos de futebol profissional, com intensos tratos culturais e pisoteio agressivo. O uso de areia grossa exige aspersores com corpo de elevação em inox, enquanto em residências podemos usar a opção em plástico sem maiores receios a vida útil do sistema.

8. A definição da Lâmina d’água para elaboração do projeto, ou seja, o volume de água máximo que o sistema deverá ser capaz de suprir, é uma etapa importante nas opções do projetista. Os parâmetros determinantes são relativos ao clima e ao tipo de plantas a irrigar. A Evapotranspiração Potencial (ET0 em mm/dia) pode ser obtida por medição local, estações meteorológicas próximas ou pela média histórica, e deve ser corrigida pela multiplicação de um fator (Kc ou coeficiente de cultivo) ajustando a realidade de cada tipo de planta, microclima e adensamento de plantio. O Kc resulta da multiplicação do Fator de Espécie (Fe ou Ke) que reflete a necessidade de água por tipo de vegetação, pelo Fator de Densidade (Fd ou Kd) que depende da proximidade entre plantas e pelo Fator de Microclima (Fm, Kmc) que depende do micro clima no entorno das plantas. Por exemplo, para uma região de ET0 de 5 mm/ dia, o Kc reduz a lâmina de projeto para 3,1 mm/dia. Os três fatores são obtidos em tabelas e definidos pelo paisagista.
Kc = Fe x Fd x Fm = 0,70 x 1,1 x 0,50 = 0,62 Lâmina de Projeto = ET0 x Kc = 5 x 0,62 = 3,1 mm/dia 9.

9. A setorização do projeto, ou seja, a divisão da irrigação da área total em parcelas operacionais deve respeitar critérios e fatores a seguir, alguns já mencionados no início.


• Irrigar plantas diferentes em setores separados. • Agrupar áreas conforme a luminosidade, sombreamento e umidade.
• Separar as áreas respeitando os hábitos de uso do Jardim.
• Observar a Janela de Irrigação permitida.
• Observar os limites de oferta de pressão e vazão disponíveis.
• Permitir o manejo adequado da rega.
• Respeitar os limites de velocidade na tubulação.
• Separar áreas de taludes de áreas planas.
• Irrigar em nível e não ultrapassar o desnível máximo no setor.
• Reduzir o custo da obra, explorando a vazão máxima da válvula.
• Usar tubos com o menor diâmetro possível.
• Moto bombas com a menor potência de motor possível.

10. Equipamentos de Irrigação de Baixo Volume oferecem vantagens e diferenciais, mas tem especificidades que devem ser consideradas pelo projetista nas suas escolhas:


• Avaliar se o projeto é adequado ao uso da Irrigação de Baixo Volume.
• Conhecer bem as propriedades do solo e a qualidade da água.
• Saber as necessidades de cada planta e a profundidade do sistema radicular.
• Dimensionar um sistema apto a aceitar mudanças futuras no paisagismo.
• Oferecer condições de manutenção apropriada a irrigação de baixo volume.
Marcelo Zlochevsky – julho 2020




Leia também:

A Irrigação sub superficial como realidade e não potencial futuro

Questões sobre irrigação por Guilherme Motta de Oliveira

Agronegócio e as Mudanças Tecnológicas

A experiência de Marcelo Zlochevsky, especialista em irrigação



Compartilhar:


Anterior Próximo


Comente esta matéria:
Nome:
E-mail:
Digite o seu comentário sobre a matéria:
Qual a sua avaliação sobre esta matéria ?



---
Entrevista
Kleber Zanotello, KF Irrigação Comercial Agrícola Ltda:  sua experiência em irrigação!
Kleber Zanotello, KF Irrigação Comercial Agrícola Ltda: sua experiência em irrigação!

Há mais de 20 anos neste mercado, contribuo, de certa forma, com a economia de água além de ter áreas ajardinadas com eficiência

Ensino
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e Cadastro Ambiental Rural (CAR)
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e Cadastro Ambiental Rural (CAR)

Este artigo auxiliará no processo de cadastramento do Incra e do CAR

Boas práticas no cálculo da lâmina de água em sistemas de irrigação
Boas práticas no cálculo da lâmina de água em sistemas de irrigação

Um Sistema de Irrigação deve suprir água e nutrientes às plantas harmonizando uma boa aeração do solo a real demanda de água das plantas.

AuE Software realiza o 1º Curso Básico de Irrigação em Parceria com Marcelo Zlochevsky
AuE Software realiza o 1º Curso Básico de Irrigação em Parceria com Marcelo Zlochevsky

Em parceria com o profissional Marcelo Zlochevsky, realizamos o primeiro Curso de irrigação báscia para paisagistas

Dicas técnicas
CalcLANDSCAPE - Item x Composição (Irrigação)
CalcLANDSCAPE - Item x Composição (Irrigação)

Veja e aprenda um pouco mais sobre como é feita a geração de composições e como incluir novas.

HydroLANDSCAPE - Ajustando escala do projeto
HydroLANDSCAPE - Ajustando escala do projeto

Veja como ajustar a escala do projeto de maneira correta e como melhorar sua representação gráfica para seu cliente.

HydroLANDSCAPE - Explicando os nomes dos tubos no sistema
HydroLANDSCAPE - Explicando os nomes dos tubos no sistema

Aprenda um pouco sobre as informações que descrevem sobre os tubos e tenha conhecimento de tudo o que esta escrito

Notícias
Água e vida: um binômio essencial
Água e vida: um binômio essencial

ONU informa que mais de dois bilhões de pessoas não têm acesso à água potável e mais de quatro bilhões não tem acesso à esgoto sanitário!

O Dia do Agricultor faz 100 anos
O Dia do Agricultor faz 100 anos

O Presidente Juscelino Kubitschek nomeou esta data, 28 de julho, como Dia do Agricultor, para comemorar os 100 anos do Ministério da Agricultura

Condomínio em Goiânia é exemplo de como proteger e conviver com as florestas urbanas
Condomínio em Goiânia é exemplo de como proteger e conviver com as florestas urbanas

O conceito de urban forestry surgiu em 1960 no Canadá para designar a arborização de uma cidade.

Arquivo
Edição Anterior

Revista AuE Irrigação Ano 1 No 5 / Julho de 2020

Conteúdo completo

Lista com todas as Edições da Revista AuE Irrigação

Top 10

Matérias mais comentadas da revista

Projetos
Lista de Projetos

Lista com Todos os Projetos da Revista AuE Riego Digit@l

Top 10 de Projetos

Lista com 10 projetos mais comentados

Agenda
Conversar no Whatsapp +55(32)3217-1501

X

AuE Irrigação


Que tal se manter sempre informado das novidades do mundo de irrigação? Informe seus dados para mantermos contato!




Revista no seu E-mail

*
*
*